Pr. Carlos Eduardo

Pr. Carlos Eduardo

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Conhecendo ao Deus desconhecido


Há muito tempo escrevi este texto e resolvi colocá-lo agora neste meu Blog para quem gosta de ler. É um humilde exercício...


CONHECENDO AO DEUS DESCONHECIDO

Quando olhamos para Atos capítulo 17, versos 15 a 34, nos deparamos com um mensagem impactante às nossas vidas espirituais. Tudo começa no capítulo 15, quando se inicia uma viajem com todas as possibilidades para dar errado. A viajem começa com a desavença entre Paulo e Barnabé. Os planos de ir à Ásia são frustrados por ordem de Deus. Em Filipos Paulo e seus companheiros são açoitados e presos. Após um terremoto que lhes deu liberdade vão à Tessalônica e têm que fugir devido à turba. Passam por Beréia e Paulo segue sozinho para Atenas.

Atenas era Capital da Província Ática, uma das principais cidades da Grécia. Cidade portuária servida pelo porto de Pireu, de rica economia e cultura. A história dos maiores filósofos que o mundo conheceu está intimamente ligada à Atenas. Sócrates e Platão viveram e morreram em Atenas. Aristóteles estudou 20 anos em Atenas.

Quando Paulo chega a Atenas, encontra 02 escolas filosóficas de destaque; - Epicureus e Estóicos dispostos a contender com ele e criticá-lo. Enquanto aguardava Silas e Timóteo, que ainda estavam em Beréia, Paulo começa a observar a cidade. Encontrou uma cidade rica, próspera, mas muito idólatra, cheia de pecados os mais diversos, isto lhe chama atenção, mais do que lhe chama atenção o incomoda verdadeiramente.

Paulo então passa a demonstrar todas as características que fizeram de seu ministério um grande sucesso, demonstrou as características de quem conhece a Deus.
A primeira capacidade que Paulo demonstra é a de indignar-se contra o pecado e a idolatria (v.16). Quando conhecemos Deus e temos uma experiência com sua santidade, Ele nos capacita a ficarmos indignados da forma correta. A indignação do apóstolo não foi uma indignação egoísta, Paulo não tomou como afrontas a si mesmo, mas contra o evangelho. A indignação do apóstolo não foi uma indignação conformista, ele não ficou sentado exigindo que alguém fizesse alguma coisa, ao contrário, voluntariamente dispôs-se enfrentar a situação. Sua indignação não era interesseira, ele não estava preocupado consigo mesmo, nem com sua segurança, nem com seu conforto pessoal, nem com recompensas. A indignação de Paulo não era uma indignação vulgar, ele não podia aceitar que a idolatria afrontasse o Deus vivo.
A segunda capacidade demonstrada pelo apóstolo foi a capacidade de resistir às críticas (quem é este tagarela? – v.18). As críticas que sofreu foram duras e severas, pois vieram de “sábios”, mas Paulo não se abalou com elas, não desistiu de seu propósito, não se acovardou.
A terceira demonstrada foi a capacidade de agir (por isto – v.17)Sua coragem não estava baseada em discursos bem elaborados, nem em especulações pseudo-teológicas ou doutrinas positivistas. Sua capacidade de agir estava fundamentada num conhecimento teológico sólido e principalmente numa experiência pessoal com Deus, conhecimento pessoal de Deus, ele conhecia a Deus.
A quarta capacidade que observo no apóstolo é a capacidade de agir com simplicidade (pregava– v.17). Nada de coisas espetaculares. Nada de amuletos, sinais falsificados, profecias ou milagres mirabolantes e falsos. Nada de efeitos especiais ou truques de ilusionismo. Nada de técnicas de persuasão. Não, apenas trabalho, tão somente a pregação, a palavra. Na sinagoga e na praça, entre judeus e gentios
Por fim verifico a capacidade do apóstolo de ir até o fim em sua missão (v.34). Paulo pregou até que alguns se convertessem, dentre eles Dionísio, Damaris e outros mais.
As atitudes do apóstolo são típicas de alguém que conhece a Deus, que sabe quem é Deus. Os atenienses tinham um altar ao Deus desconhecido, e Paulo lhes afirma que este mesmo Deus que os atenienses não conheciam, apesar de conhecerem muitos outros, era o Deus que Paulo pregava. O Deus único e verdadeiro. O Deus fiel que não desampara aqueles que o buscam.

Quem não conhece a Deus de verdade se conforma com facilidade com o mundo, com a idolatria, com o pecado e com as ofertas de satanás. Quem não conhece a Deus não prega a palavra, nem dá testemunho. Quem não conhece a Deus se deixa influenciar pelas vãs filosofias sem pestanejar. Quem não conhece a Deus a palavra lhe é estranha. Quem não conhece a Deus prefere novidades e mexericos à sã doutrina, como os cidadãos atenienses.

Mas quem conhece a Deus, não se conforma, indigna-se contra o pecado e satanás. Quem conhece a Deus resiste às críticas com a pregação do evangelho. Quem conhece a Deus age com coragem, não se acovarda. Quem conhece a Deus, ainda que agindo com simplicidade, continua até a vitória.
O Senhor nosso Deus quer que nós o conheçamos. As palavras de Oséias 6:3 continuam ecoando: “Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor”.

Quem nos dera podermos falar como Jó (Jó 42:05) “Antes eu te conhecia de ouvir falar, mas agora meus olhos te vêm”, ou como o próprio apóstolo Paulo (II Timóteo 01:12) “Eu sei em quem tenho crido e estou bem certo que é poderoso para guardar o meu depósito até aquele Dia”.

CONHEÇAMOS AO SENHOR!

6 comentários:

Ivan Tadeu Panicio Junior disse...

Meu amigo, que culto memorável! É muito bom ver nossa mocidade alegre com a alegria do Senhor.

Desejo um ótimo início de semana, repleta de realizações em todos os âmbitos de sua vida.

Abç, Ivan Tadeu

Kymey disse...

A paz do Senhor

Meu nome é Laucinei, sou Diacono e músico da congregação de Vila Oficinas, quero registrar que o estudo conhecendo ao Deus desconhecido, é uma benção..

Laucinei Gomes
email.: gomesesilvainst@hotmail.com

Franciné Neto disse...

Paz Pastor,

Me chamo Franciné Neto sou jovem tenho 22 anos e fui chamado para pregar no culto de recem converidos, ja tinha em mente pregar sobre o Deus desconhecido, após a pregação deixarei em exposição no meu blog o esboço...tomarei como base o profeta ceretense Epimenides. Muito bom o seu blog. Paz

Anônimo disse...

Esse texto tem uma relevância extraordinária, quando Paulo confronta todas as divindades daquela região, assim como Deus usou Moisés para confontrar os deuses do Egito. Mas o mais importante é que Paulo conseguiu mostrar através daquela mensagem que existe um Deus acima de todos. Parabéns Pr. Carlos pela palavra!

Josué disse...

Pastor Carlos,

Sua explanação de cunho doutrinário é de maior respeito;
...encontra-se facilidade no entendimento ao tempo em que nos "coage" a viajarmos num universo de grandes e milagrosos acontecimentos.

Excelente.

Presbítero Josué Rodrigues
Assembleia de Deus
São Gonçalo -RJ.

JOSÉLIO disse...

Paz e graça,pastor Carlos.
Estive meditando nestes textos e resolvi buscar na net sobre e fui impactado com tão bela expressão e firmeza ao expor este assunto.Deus o abençôe.
joselio.gomes@uol.com.br
JAMPA-PB.